Jogos Vorazes: Em Chamas – Muito além do puro espetáculo

Fugindo de toda e qualquer comparação a outras obras voltadas para o público jovem, a franquia Jogos Vorazes conseguiu logo em seu primeiro longa, se destacar devido a seu caráter maduro e contestador. É raro observarmos um material, que se assume desde o inicio como blockbuster, ter um cerne político tão elequonte. Em Chamas (segundo capítulo da série), não só abraça essa forte característica como adiciona elementos que desenvolvem de maneira mais corajosa e profunda esse universo distópico e seus personagens.

O roteiro de Michael Arndt (Toy Story 3) e Simon Beaufoy (Quem quer ser um milionário?) nos mostra que mesmo após a vitória no 74º Jogos Vorazes, Katniss (Jennifer Lawrence) e Peeta (Josh Hutcherson) permanecem no seu cotidiano infeliz e opressivo. Forçados a sair em turnê pelos 12 miseráveis distritos de Panem, eles logo percebem que sua vitória na edição anterior dos jogos, foi a fagulha necessária para despertar um sentimento de revolta contra a opressão da Capital. Ao perceber que os tributos vitoriosos, principalmente Katniss Everdeen, havian se tornado símbolos de resistência, o presidente Snow (Donald Suntherland) aconselhado pelo novo idealizador dos jogos, Plutarch Heavensbee (Phillip Seymour Hoffman), decide que todos os vitotiosos devem ser aniquilados.

Então em comemoração aos 75 anos da supressão da última rebelião, o presidente resolve promover o Massacre Quaternário, evento que trará de volta a arena,  todos os antigos vencedores dos jogos. Dessa vez, os tributos do distrito 12 enfrentarão assassinos experientes e riscos que vão além do imaginado.

Francis Lawrence (Constantine) assume a cadeira de direção no segundo capitulo da franquia e dribla todos os elementos com potencial de tirar o foco da trama. Existe um triângulo amoroso entre Kat/Peeta/Gale, mas ele é desenvolvido de forma a não desviar a atenção das temáticas mais importantes do texto. Ambos os pretendentes de Katniss se mostram dignos de seu afeto, mas em vista de todo o caos a sua volta, a heroína reconhece que se preocupar com romance seria algo ridículo, logo essa subtrama é colocada sempre em segundo plano – adicionando toques melancólicos a essa tragédia. Esse dilema é compreensível graças a evolução do personagem de Josh Hutcherson, que encarna um Peeta mais carismático, tornando minimamente crível que alguém o escolhesse ao invés do irmão do Thor (Liam Hemsworth).

As conseqüências dos acontecimentos do filme anterior geram impacto na vida dos tributos vencedores. As lembranças dos assassinatos que foram obrigados a cometer para se manterem vivos assombram seus sonhos. Nunca houve vencedores nesses jogos, apenas sobreviventes, tal fato é importante para compreendermos a natureza do cinismo com qual Haymich (Woody Harrelson está impecável)  encara seu trabalho como mentor. Vamos combinar, que entronar umas cachaças é pouco para apagar anos de pesadelos macabros.

Os Tributos do Distrito 12

Os Tributos do Distrito 12

A maneira contrastante com que os designers de produção retratam a Capital e os Distritos, servem para construir um abismo entre as duas realidades. Enquanto nos paupérrimos distritos de Panem, o tom acinzentado predomina; é utilizado um conceito bastante exagerado na composição dos ambientes, figurinos, maquiagem e penteados do nucleo da Capital. Mas é possível perceber que mesmo nos personagens mais espalhafatosos como os interpretados por Elizabeth Banks e Stanley Tucci, existe um tom de tristeza e preocupação, devido a esse período sombrio que precede a revolução.

A dinâmica dos jogos e a maneira com que os tributos se relacionam, tiveram uma bem vinda mudança de tom. Ressentidos por serem obrigados a retornar a arena de combate, alianças são formadas com mais naturalidade devido ao sentimento mútuo de revolta contra a Capital. Nesse contexto surgem personagens de Jena Malone, Lynn Cohen, Amanda Plummer e Jeffrey Wright, que se encaixam de maneira orgânica e tem seus pequenos arcos bem desenvolvidos, mostrando a conseqüência dos jogos em personalidades diferentes.

O roteiro mantém a proposta do filme anterior de propor uma reflexão sobre o nosso cotidiano, fazendo referências a sociedade contemporânea que aplaude o palco de horrores e baixarias dos reality shows, enquanto a mesma se mantém passiva e vulnerável a manipulação do estado totalitário. Nesse contexto Donald Sutherland, se mostra apto a carregar o título de vilão ameaçador e perverso. Vale destacar também, a breve mais importantíssima participação de Phillip Seymour Hoffman, que consegue nos convencer apenas com um olhar que é o cara certo para esse trabalho de idealizar tais jogos e que demonstra até um certo prazer na execução do seu oficio (ou não).

Ahhhh Jennfer Lawrence <3333

Ahhhh Jennfer Lawrence <3333

O resultado não seria o mesmo sem o talento e o carisma de Jennifer Lawrence. A jovem atriz é capaz de conferir uma tridimensionalidade absurda para sua personagem. Sua performance é tão magnífica que torna palpável  todas as mudanças que ocorrem em seu interior. Acompanhamos e sofremos junto com Katniss à medida que acompanhamos seus dilemas, sacrifícios pessoais e revolta contra a opressão de seus governantes.

Em Chamas se desenvolve de maneira mais do que satisfatórias com suas plot-twists e seu absurdo cliffhanger, conseguindo agradar do espectador casual até o mais histérico membro do fandom da franquia. Primando pela sobriedade, com  um subtexto bastante eloquente, essa franquia caminha a passos largos para se estabelecer como um dos fenômenos mais importantes dessa geração. Assistam e analisem o filme além do puro espetáculo.

Renan Sena

Anúncios

2 comentários sobre “Jogos Vorazes: Em Chamas – Muito além do puro espetáculo

  1. Moço, parabéns pela crítica! Seu material tá ficando cada vez melhor, analisando cada aspecto das obras primas que são os filmes. Mesmo você não lendo o livro conseguiu pegar o que o filme quer passar, e isso é muito bom. Parabéns!

  2. Amei a crítica!! Estou looouca pra ver esse filme.. E se não for tudo o que você está prometendo, eu volto aqui pra reclamar! HAHAHAHAAHAH Parabéns pelo blog, beijos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s