Loucuras em Série – Orphan Black: When did I become us?

OrphanBlack

Orphan Black é quase sem sombra de dúvidas o maior novo fenômeno televisivo de 2013 (ou alguém vai contestar isso?) a série produzida em conjunto pelo canal canadense Space, e a BBC America é uma obra prima da ficção científica que aborda principalmente o tópico de clonagem humana, os debates morais e éticos por trás disso, principalmente levando em consideração que a personagem principal, Sarah Manning (Tatiana Maslany) não tem conhecimento nenhum da experiência, e se depara com uma de suas clones por acidente, dando início a série.

Tatiana Maslany é hipnotizante e encantadora, se desdobrando continuamente em meio a tantas personalidades e sotaques diferentes que todos as suas clones possuem. A série começa com a protagonista, Sarah Manning, uma jovem britânica de passado difícil, oportunista, desconfiada e de aspecto meio punk, retorna ao Canadá, afim de buscar sua filha, e encontrar o irmão adotivo Felix, que é uma das poucas pessoas que ela confia, quando no caminho ela presencia o suicídio de uma cópia viva sua.

Essa é Beth Childs, policial canadense, que se encontra suspensa no momento presente da série, após um acidente de trabalho pelo qual ela está em acompanhamento psiquiátrico. Tudo na verdade é consequência da descoberta da existência de diversos clones seus, Beth é procurada por Katja Obinger, uma alemã, e clone sua, procurando azilo, após tomar conhecimento de outras clones europeias que foram assassinadas. Após a descoberta dessa confusão toda Beth que era extramemente organizada, vê sua vida fugindo do seu controle, e muitos acham que é isso que a leva a cometer suicídio, provas de sua organização são que até nos seus últimos momentos antes de morrer, ela tira os sapatos, a bolsa, e o casaco, deixando tudo dobrado e a vista, antes de se jogar nos trilhos logo antes da passagem do trem.

Em uma decisão repentida, Sarah toma posse das coisas de Beth e passa a personificar a personagem, a princípio afim de conseguir o dinheiro que essa tem separado em uma conta especial. Só que isso desencadeia a série, já que agora ela começa a se envolver com o namorado da Beth, Paul (Dylan Bruce), enquanto finge ser ela, mas é logo descoberta pelo homem, que na verdade andava monitorando Beth para a organização responsável pelas clones, sem saber muito do que se tratava o emprego além disso, contratado por seu passado como militar, ele logo se junta a causa das clones.

Beth já tinha contato com mais três clones, após a alemã Katja Obinger entrar em contato com ela, e explicar que duas outras clones já foram assassinadas na Europa. Katja é a segunda clone que tem contato com Sarah, enquanto essa está personificando Beth, e é assassinada, em companhia dessa, em uma das primeiras grandes reviravoltas da série.

As outras clones são Alison Hendrix, uma típica mãe do subúrbio, dona de casa e mãe de duas crianças adotivas, que cuida do time de futebol das crianças e conhece toda a vizinhança, neurótica, e super protetora, é a clone que tinha mais contato com Beth e por consequência agora Sarah, por também morar no Canada. Um dos momentos muito legais da série é quando essa ensina Sarah a atirar, conhecimento que ela precisa para continuar se passando por Beth.

Cosima Niehaus, estudante americana buscando seu doutorado em microbiologia com foco em biologia do desenvolvimento evolutivo na Universidade do Minnesota, Cosima é prática, mas descolada, e também é a personagem que tem o melhor entendimento sobre o que está acontecendo com elas de um ponto de vista científico, e um certo conhecimento sobre a organização responsável por tudo (chamada de Neolution), que vai sendo apresentada e crescendo ao longo da temporada.

Orphan-Black-Named-Clones
Nós ainda conhecemos Helena, uma ucraniana, fanática religiosa com sérios problemas psicológicos – consequências de ano de abuso físico e emocional – é responsável pela morte de Katja, e assumidamente das outras clones europeias, a clone vem sendo manipulada por uma seita (inimiga da Neolution) a acreditar que ela é a original, enquanto todas as clones são cópias satânicas do mal e usada para assassiná-las. A personagem é protagonista de várias cenas perturbadoras, inclusive algumas de autoflagelação.

Rachel Duncan é a última clone a ser introduzida ao público, e é a única que conhecemos até então que passou sua vida inteira sob os cuidados dos Neolutionistas, trabalhando para eles, e por isso ela recebe o apelido carinhoso de “Proclone”, criação de Sarah.

Alguns personagens como Felix, o irmão adotivo de Sarah, se destacam. Interpretado por Jordan Gavaris, o personagem é gay assumido, e artista (só que pra se sustentar ele mantêm vários sugar daddies, sendo basicamente um boy toy de caras ricos) ele muitas vezes cai na pilha da protagonista, e vai com ela fazer as maiores loucuras da série, mas continua sendo a voz da razão, e um dos poucos que ela realmente escuta, já que o relacionamento dela com a mãe adotiva dos dois, não é bom, apesar da senhora estar cuidando da filha dela, Kira (Skyler Wexler). E Delphine (Evelyne Brochu), que também entra em cena a mando da Neolutions, como a monitora da Cosima, mas assim como Paul, ela também se rende a paixão com a sua clone, e elas formam um dos casais mais tocantes da série.

A série é um sucesso de público e crítica, e muitos artistas já comentaram sobre sua obsessão com ela, a divulgação na San Diego Comic Con foi uma das melhores que eu já vi (Caso você veja sete pessoas usando o mesmo crachá de identificação, se acalmem, elas podem todas ser a Tatiana Maslany). Os episódios são emocionantes, bem escritos, em meio a cenas de ação,  drama e romance, várias questões existenciais tão marcantes da ficção científica são abordadas,  as escolhas de direção são muito bem feitas e executadas com maestria pela protagonista que dá um banho de atuação que merecia muito mais reconhecimento – apesar da indicação ao Globo de Ouro – honestamente, porque carregar uma série aonde você é basicamente o elenco principal inteiro, não é pra qualquer um. All the awards pra Tatiana Maslany, e vida longa a Orphan Black, que volta para sua segunda temporada em Abril desse ano.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s