Ex Machina – Sci-fi filosófico onde os homens são os monstros

Ex Machina by Brian Taylor

A criação de formas de vida artificias e os perigos diretamente implicados a essa ação, é um tema recorrente na ficção cientifica. Desde Metrópolis de Fritz Lang,  Blade Runner de Ridley Scott até o recentemente contestado Chappie  de Neil Blomkamp–  um excelente personagem que sem dúvida merecia um filme melhor – esse sub-genêro do sci-fi explora o conflito entre criador e criatura. Ex Machina, longa que marca a estreia de Alex Garland (roteirista de Extermínio) como diretor, é mais um desses longas que exploram essa temática e nos faz refletir sobre a nossa própria natureza.

A trama idealizada pelo próprio diretor se passa em um futuro não tão distante e gira em torno de Caleb (Domhall Gleeson), um talentoso programador que vence um sorteio na empresa em que trabalha e ganha a oportunidade de passar uma semana na companhia de Nathan (Oscar Isaac),  gênio idealizador da Bluebook (uma espécie de Google do futuro). Ao longo de sua estada de 7 dias, Caleb é incumbido com uma missão: aplicar um Teste de Turing em Ava (Alicia Vikander), uma andróide construída pelo excêntrico Nathan. O teste consiste em basicamente determinar se a robô humanóide possui consciência própria, assim confirmando ou não se o experimento de criação de uma inteligência artificial foi bem sucedido.

Ex-Machina-Download-Wallpapers

Ava quer ser uma menina de verdade

Nas maquinações de seu texto, Alex Garland nos traz uma abordagem mais geek e pertinente ao século 21 de conceitos apresentados por Mary Shelley em Frankenstein. Construindo uma atmosfera de suspense sufocante, o roteiro trás o clássico conflito entre consciência e personalidade do indivíduo criado artificialmente. Eles são capazes de sentir? Até que ponto somos capazes de controlar algo tão novo? Será que de fato estamos no controle? Pra essas perguntas, Garland nunca oferece uma resposta definitiva.

Os protagonistas humanos da trama são construídos de maneira interessante e antagônicas, criando um contraponto com a andróide. Domhall Gleesson constrói seu Caleb de forma tímida, perdido em sua própria ilusão de que seria o único capaz de salvar Ava de seu sofrimento. Contrastando com  o macho-alfa de Oscar Isaac, cujo Nathan representa uma figura extremamente misógina que só tem interesse em criar uma nova forma de vida que satisfaça seus desejos. Ambos os personagens projetam em Ava as suas necessidades.

Ainda acho que eles dois só queriam comer ela...só dizendo...

Ainda acho que eles dois só queriam comer ela…só dizendo…

Ao longo de quase toda a projeção só podemos ver o rosto, as mãos e os pés de Alicia Vikander, o resto do corpo visível é um composto mecânico e eletrônico – um fantástico trabalho do departamento de efeitos especiais.  Por incrível que pareça, Ava acaba sendo a figura mais humana em toda a trama. Sem pressa no desenvolvimento da personagem, sutilmente acompanhamos Ava. Vamos ganhando sua simpatia a medida em que a narrativa se desenvolve e vibramos quando ela tem a chance de se rebelar. Vale muito destacar a performance dessa jovem atriz sueca…algo me diz que ela vai se tornar uma grande estrela muito em breve.

O design de produção abusa de um conceito visual tecnologicamente avançado e minimalista na construção de seus ambientes, pontualmente contrastando com as belas paisagens naturais nórdicas que os rodeiam. Ex Machina é um daqueles filmes que dificilmente vão entrar no circuito comercial nacional, mas vale a pena correr atrás, pois se trata de um daqueles ótimos exemplares de ficção científica raros de se ver atualmente.

Renan Sena

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s