Nebraska – Alexander Payne adiciona tons de cinza em drama sobre reconciliação

Alexander Payne é um diretor que costuma construir narrativas intimistas e de maneira contemplativa acompanhamos seus personagens em uma jornada de transformação e amadurecimento pessoal, sempre num contexto familiar. Assim como no aclamado Os Descentes – filme o qual ele recebeu um Oscar de melhor roteiro adaptado – Payne revisita essa temática em Nebraska, de forma a abordar o envelhecimento e os arrependimentos que o acompanham.

Continue lendo

O Clube de Compras de Dallas – A consagração de Matthew McConaughey e Jared Leto

A filmografia de Matthew McConaughey certamente não é uma das mais incríveis da indústria. McConaughey que parecia estar fadado a exibir seus músculos, bronzeado e sorriso sedutor, quase que exclusivamente em comédias românticas rasas, surpreendeu a todos com seu desempenho em seus últimos projetos. Após despertar a atenção da mídia especializada, interpretando um matador de aluguel em Killer Joe e um dono de um bar de striptease em Magic Mike – papel que lhe rendeu um Independent Spirit Award de melhor ator coadjuvante – o ator é um dos favoritos para receber a consagração máxima da Academia por sua performance em O Clube de Compras de Dallas.

Continue lendo

Philomena – Muito mais do que uma história de “interesse humano”

Aos 79 anos de idade, Dame Judi Dench é considerada um tesouro nacional britânico (apesar de odiar esse titulo). A experiente atriz vem lutando com sérios problemas de saúde nos últimos anos, incluindo uma cirurgia no joelho em 2013, e problemas de visão que vem tornando cada vez mais difícil para ela ler os roteiros. Mas engana-se quem pensa que a atriz está perto de se aposentar ou em decadência. Sua magnífica performance em Philomena, longa dirigido por Stephen Frears, é um “cala a boca todo mundo!”.

Continue lendo

12 Anos de Escravidão – Um tapa na cara da sociedade

Um movimento bastante interessante vem ocorrendo na indústria cinematográfica, desde que Obama assumiu o poder nos Estados Unidos.  Filmes como Django Livre, Lincoln e O Mordomo da Casa Branca nos mostraram um pouco da sofrida jornada dos negros americanos na luta para conquistar sua liberdade e seus direitos civis, direitos esses considerados essenciais e que não deveriam ser negados a nenhum ser humano. Ao contrário da fantasia de vingança de Quentin Tarantino, da benevolência de Steven Spilberg ou do espírito conciliador de Lee Daniels, Steve MCQueen não se dá ao trabalho de oferecer um falso conforto em 12 Anos de Escravidão.

Continue lendo

Ela – O amor ultrapassando a barreira da artificialidade

Somos  criaturas com uma enorme necessidade de se relacionar. Antes do inicio da era digital, as relações sociais ocorriam de maneira mais próxima, mas com os avanços tecnológicos e a criação das redes sociais, barreiras foram quebradas unindo cada vez mais as pessoas. Paradoxalmente, estamos cada vez mais juntos, mas não estamos próximos, pois nossas relações interpessoais ganharam muito em quantidade, mas perderam ainda mais em qualidade. Ainda assim, permanecemos com nossas necessidades óbvias de oferecer e receber em troca qualquer tipo de afeto. É nesse universo repleto de artificialidade e impessoalidade que Spike Jonze desenvolve Ela.

Continue lendo

A Trapaça – Elenco fabuloso, mas hype excessivo

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood tem uma enorme tendência a esnobar alguns profissionais e eleger outros como seus queridinhos. Enquanto Leonardo Di Caprio e Christopher Nolan sofrem com a indiferença dos membros da Academia, o cineasta David O. Russel goza de enorme prestigio com a organização mais importante da indústria. Seus últimos trabalhos (O Vencedor e O Lado Bom da Vida) saíram consagrados com diversos prêmios nas duas últimas edições do Oscar, então devido a todo esse hype, criou-se uma expectativa enorme sobre A Trapaça, o recordista de indicações (10) dessa edição dos Academy Awards.

Continue lendo

O Lobo de Wall Street – Uma ode a cobiça

O cineasta Martin Scorsese se estabeleceu em Hollywood com seus filmes de violência urbana, cujos personagens sempre contam com uma construção bastante complexa, senso de moral duvidoso e as mais diversas perturbações.  Longas como Cabo do Medo, Cassino, Taxi Driver e Os Bons Companheiros têm como principal marca seus anti-heróis e sua paranóias. Se você pensou que aos 71 anos, Scorsese se dedicaria a filmes mais leves como A Invenção de Hugo Cabret, pensou errado! Em O Lobo de Wall Street o experiente diretor demonstra um vigor e um espírito subversivo absurdo, ao expor os bastidores e esquemas de uma quadrilha de executivos de Wall Street.

Continue lendo